fevereiro 22, 2017

Eu volto!


Espera, eu volto logo.
Vou até ali, descobrir quem sou.
Dar uma volta na vida,
Dobrar a esquina da esperança,
Renovar o visto de humanidade,
Criar um plano de um novo eu.
Mas não vá embora, fique um pouco mais,
Tome um chá de tranquilidade,
Desfrute da paisagem,
Porque logo mais estarei de volta.
Talvez daqui um segundo,
Quem sabe algumas horas,
Ou eu tire um ano de mim.
Mas eu volto.
Pode ser que não me reconheça,
Pode ser que não seja quem você esperava ver,
Mas acredite, sou eu, sempre fui, sempre serei.
Talvez com uma maturidade diferente,
Ou uma jovialidade irreconhecível.
Trarei meu antigo eu na bagagem,
Com memórias e pertences
De todas as fases em que já estive.
E então comemoraremos um novo início,
Um recomeçar constante.
Poderemos rir,  chorar ou simplesmente silenciar.
Se quiser abraços, lá estarei.
Se quiser somente me conhecer, sente-se e conversaremos.
E se preferir ir embora, entenderei.
Mas espera, não desista, eu voltarei.
E daí em diante tudo será novo,
Com a roupagem do que já passou,
Com a coragem de quem entende que precisa mudar.
Espera, volto logo.
E depois, se você quiser mudar,
Ficarei aqui também, a lhe esperar.

fevereiro 08, 2017

Ontem passou...


Por que se preocupar com o que já passou?

Com o dia que terminou...

Com a oportunidade que perdeu...

Com o amor que acabou...

Com o sonho que morreu...

Se não pode corrigir, se não pode desfazer, sempre é possível transformar.

Aproveitar a noite que chegou,

Aprender esperando novas chances,

Buscar um novo amor,

Encontrar dentro de você razão para voltar a sonhar.

Lamentamos muito, vivemos pouco.

Com medo no olhar, não conseguimos ver a beleza de novas experiências.

Com o medo no coração, não é possível construir o dia de hoje,

Muito menos idealizar um novo porvir.

O que já passou tem as cores acinzentadas,

Não possui mais o pulsar da vida,

Faz parte da bagagem,

Mas não é  mais passagem.

É importante, sem ser vital,

É parte do que somos, mas não tudo que seremos.

Aceite, assimile, vivencie.

Mas não faça disso um entrave, 

Hoje será sempre um novo dia,

Aproveite, experimente, invente.

Não se preocupe, se ocupe.

Viva.

Hoje.







fevereiro 03, 2017

Naquele lugar



Ele estava lá.
E também não estava.
O lugar vazio mostrava a sua ausência, mas de alguma forma também apontava a sua presença em dias passados.
Afinal, ele que preparou aquele lugar.
Cultivou a grama, plantou as flores, escolheu o banco.
Percebeu que lá havia sombra nos momentos de sol forte, frescor em contrapartida ao calor.
E havia luz, muita luz, ao longo dos dias.
De noite ele preferia a penumbra do lugar.
O lugar era ele, ou pelo menos parte dele.
Lá estavam os seus pensamentos, os seus planos, as suas dúvidas.
Foi ali que percebeu que estava apaixonado, que recebeu a notícia que seria avô, no mesmo lugar em que descobriu que queria ser pai.
Lá esteve seu melhor companheiro, o seu amigo peludo e foi lá que ele partiu, no seu colo, com suas lágrimas, com sua saudade.
Sempre que precisava, era lá que ele se encontrava.
Ou se perdia, em pensamentos, em leituras, em descanso.
Se alguém o procurasse e não estivesse a vista, sabiam que lá ele estaria.
Um ponto seguro, um banco, um pouco de natureza, um lugar calmo e tranquilo.
Um lugar para os seus risos e tristezas, para o seu momento sozinho consigo mesmo, ou mesmo rodeado por tantos queridos que lá já passaram.
E ela sabia disso. Por isso era lá que ela foi procurá-lo quando ele partiu.
Sabia que ele não estaria lá.
Mas ele estaria lá.
Ela sentou no banco, olhou ao redor, passou a mão suavemente onde ele estaria sentado se estivesse com ela.
E suspirou.
E chorou.
Sorriu.
Ela sabia que tinha que se despedir.
Tinha que dizer adeus, mas preferia um até logo.
Quando a saudade fosse imensa, ela voltaria lá, como ele voltava para relembrar de quem tinha partido antes dele.
E ele estaria lá.
Na verdade estaria dentro do coração dela, mas para que ela pudesse continuar, deixaria esse coração naquele banco, esperando o momento do reencontro.
E assim que ela se levantou, a lágrima secou embora ainda as tivesse dentro de si.
Ele não estava mais lá.
Mas ela sabia que ele sempre estaria por lá.

Naquele banco, naquele lugar, naquele coração.

janeiro 30, 2017

Contraponto



O que esperar do futuro?
Um mundo cinza,
Um mundo de sonhos,
A realidade concreta,
A esperança esvanecente?
Nem sempre o que encontramos
Está de acordo com o que desejamos,
Um contraponto,
Caminhos opostos
Ou apenas paralelos?
O desejo vem do que imaginamos,
A realidade vem do que somos,
Melhor não esperar,
Melhor conquistar,
Dia a dia, passo a passo,
No ritmo do compasso
Do que nos faz bem,
Do que espalha o bem.
Haverá reviravoltas,
Mas quem nunca deu volta
Até atingir o seu destino?
Importa saber aceitar
E mudar.
Nem que seja os ares,
Ou os lugares.
Não espere então,
Construa.
Não se desespere,
Modifique.
Não esqueça,
Nem desapareça.
Não seja nuvem,
Não seja concreto,
Seja eterno!

janeiro 27, 2017

Pedro, Bem Vindo


Perfeição.
Um momento, um segundo.
Um olhar.
Não precisa dizer,
Nem contradizer,
Somente viver.
Hoje, um nascimento,
Amanhã uma vida plena,
Entre um e outro dia,
Um universo de possibilidades.
Quem dera eu soubesse
Qual é o futuro que acontece,
Só sei o que desejo, isso basta agora.
Desejo que a vida traga amor,
Que o amor traga saúde,
Que a saúde traga paz,
Que a paz traga plenitude.
Hoje, uma verdade,
Tão esperado você era,
Amanhã uma canção,
Sua vida se tornará.
Leve o tempo que precisar,
Cresça, aprenda, agradeça,
Não esqueça de amar.
Hoje, um menino,
Um irmão, um filho,
Seja bem vindo com um sorriso.
Amanhã, um homem.
Uma alma repleta,
De tudo que buscar.
Hoje, você,
Para sempre, Nós.


Foto by Eduardo Sukys


janeiro 24, 2017

As Pedras do Caminho


Não tenha medo dos obstáculos, nem das pedras em seu caminho, elas representam aquilo que precisa aprender.

Por vezes são suas dúvidas, algumas são feitas de lágrimas, outras você nem lembra porque existem.

Muitas dessas pedras são pessoas, por incrível que pareça, pessoas com coração de pedra, com alma concreta, com palavras pontiagudas, com atitudes endurecidas.

Algumas são tão pequenas que só nós percebemos, sentido a sua presença a cada passo. Outras são tão visíveis que os que estão a nossa volta reconhecem como obstáculos, embora alguns desdenhem ou tentem pintar com tinta invisível.

Mas se observar bem, as pedras do caminho também tem a sua beleza e algumas nos fazem crescer tanto, que até se transformar em amuleto.

E se olhar mais de perto, no meio de tantas pedras, pode vir a nascer uma linda flor, aquela que semeia com a perseverança, alimenta com a coragem e poda com o discernimento.

Alguns chutam o problema para longe, mas as pedras rolam e retornam ao seu caminho, afinal por mais esperto que a pessoa acredita ser, a vida é mais inteligente e sabe que mais cedo ou mais tarde cada um terá que passar pelo aprendizado necessário.

Mas o que ganhamos com tudo isso? Com esses ensinamentos? Com essas lições?

O Paraíso sem nada para fazer a não ser fica a toa observando o horizonte? Fortunas que comprarão inúmeros bens que nunca conseguirão abastecer o vazio interior? Status de faz de conta, que engana dizendo que você é melhor que os outros, mas na verdade é tão pequeno que precisa de pedestais efêmeros para se sentir superior?

Não, as pedras do caminho não trazem essas supostas conquistas que não compram saúde, amor, paz de espírito ou o respeito das outras pessoas.

Elas são pedras, são do caminho, mas são também os seus limites, vencê-las, superar a si mesmo, traz tudo aquilo que ninguém consegue comprar, roubar, trocar ou lhe dar: elas trazem a felicidade.

Felicidade de superar, de ser melhor do que as mesquinharias da vida, de amar sem pedir nada em troca, de saber que sempre tem alguém por você, que você nunca será realmente sozinha, que você é capaz, independente de dinheiro, de diploma, de roupas, de status.

Supere suas pedras do caminho, guarde algumas de lembrança, mas acima de tudo diga obrigada a cada passo que consegue dar no caminho, essa conquista é sua e nada no mundo tira de você as pedras que você superou.


janeiro 17, 2017

VIDA


Vida.
Efêmera, ilusória, plena, pouca, longa, imprevisível Vida.
Lutamos tanto, sem necessidade, sem verdade, sem idade,
Tentamos conquistar, quando deveria ser só aproveitar cada dia.
Ao primeiro respirar até o último expirar,
Temos e somos o que vivemos,
Precisamos aquilo que recebemos,
Desejamos o que está longe
E esquecemos que o sonho era ser feliz, não ser dono da felicidade.
A Vida não nos escolhe, nós que escolhemos como viver
Porque então reclamamos?
Quando ela se vai, vira preciosa,
Melhor então reconhecer o tesouro e valorizar cada momento.
Reter na lembrança, repetir no coração, absorver na alma.
Sim, ela pode ser triste.
Ela pode ser injusta.
Ela pode ser curta.
Ela pode ser centenária.
A Vida porém, prefere ser esperança.
Não nos pertence, mas tentamos manipulá-la ao nosso prazer,
Até que ela se despede e fica a pergunta: por que não vivi tanto quanto deveria?
Aproveita, ela está ao seu lado,
Não esquece aquela que já se foi, mas agradece sua passagem.
E quando partir, tenha certeza que da Vida, o melhor segue com você,
Para onde você for.